Voltando para a reabilitação

Depois de muitas promessas não cumpridas, abandonei o Vigilantes do Peso. No início me comportava, mas depois a gente vai relaxando e quando vê a gordinha interior está lá toda feliz, devorando o que vê pela frente. O resultado disso foram 4 quilos a mais no corpitcho. Quatro quilos em quatro meses = 1 manequim a mais. Quando as calças tamanho 40 que estavam bem folgadas (algumas caindo) começaram a ficar justas, me apavorei. Isso que estou na academia (e adorando!), imagina se não estivesse. Faço o circuito da Curves 3 ou 4 vezes por semana, mas depois faço um post falando sobre esse assunto (lembram do marido indiano?).

Isso tudo significa que sou viciada em comida e terei que me cuidar o resto da vida. O primeiro passo do Vigilantes é admitir que a gente é gorda. O segundo é que a gente é como viciado, só que em comida. Ou seja, tô ferrada porque não nasci magra e a única solução foi buscar de novo o grupo de apoio.

Assim, Miss Alface voltou à ativa dia 14 de novembro. O melhor é que já me sinto mais magra. Sei lá, deve ser efeito psicológico. Agora minha meta são menos 6,700 kg (4 quilos que ganhei na farra e os 2,700 que fiquei devendo) e até troquei o layout do blog para reanimar (viram os peixinhos?).  Tenho também um propósito, que é entrar no short jeans tamanho 38 que usava no verão do ano passado, quando estava nos lindos 61 quilos. Tenho uns biquínis petit que estão na mira também.

Por fim, estou usando o aplicativo de contar pontos e o caderno do Vigilantes que falei nesse post https://alfacenaoengorda.wordpress.com/2012/07/16/voltando-a-ser-miss-alface/. O caderno tá com bug, mas o contador de pontos foi muito usado na última ida ao supermercado.

Dieta de fome

Minha enteada, a Nathália, tem 13 anos e está fazendo dieta com uma nutricionista. Ela está passando as férias lá em casa e ontem encontrei o cardápio na porta da geladeira. Fiquei morrendo de pena da menina. A dieta dela é muito light para uma adolescente e que está em início de sobrepeso, ou seja, não é gorda, é fofinha grau 1 no máximo. Tudo bem que foi feita por uma nutricionista e eu sou leiga no assunto, mas achei muito fraquinha e sem nada de bom para comer (como viver sem um Creamy Light, sem uma Trakinas Mini?). O lanche da tarde tem duas edições: uma com uma banana e uma fatia de mamão (nada da liberdade dos ProPontos) e a outra com um pacotinho de Club Social. Eu troquei o Club Social por uma bolachinha similar da Nestlé que é integral e tem menos gordura, mas não como muito porque não me sacia. Se não sacia uma mulher de 38 anos, imagina uma menina de 13 com o metabolismo a mil. O único açúcar da dieta é uma colher de sobremesa de mel no café da manhã. O resultado desse menu de spa é que a Nathália outro dia foi ao Zaffari comprar Nutella, que ela devorou quase toda no mesmo dia, mas deixando as bordas do pote preenchidas para fazer de conta que não comeu (sou gordinha e conheço todas as táticas!). Eu não compro nem Nutella e nem doce de leite porque não levo o demônio para dentro de casa, ainda mais se o bicho se come de colher. Nutella só em Paris e doce de leite só em mini saquinhos.

Sabe qual vai ser o resultado da dieta da enteada? Nathália vai emagrecer (se parar de comer Nutella), chegar ao peso e largar a dieta, engordando tudo de novo. Se ela morasse lá em casa, e não em Horizontinha, levava comigo nas reuniões do Vigilantes. Comeríamos Trakinhas Mini juntas. E nada de Nutella, o demônio marrom.

Voltando a ser Miss Alface

No último post escrevi sobre o Monitor, meu novo amigo. Ele foi bom para dar um fôlego na vontade de contar pontos, mas com o tempo foi deixado de lado. Senti que a coisa estava ficando feia quando abria a página e desenhava um coração, uma forma de pedir desculpas pelo descaso na contagem. Hoje o Monitor repousa dentro de uma nécessaire no meu criado-mudo e, inspirada nos corações, passei a não contar pontos. Depois de mais de um ano de programa, a gente se sente confiante e acha que como está no platô não importa se come direito ou não, que não emagrece e também tem a ilusão de que não engorda. Livre, leve e solta voltei a engordar de novo. Tenho uma calça jeans termômetro, que diz quando engordo, e ela estava bem justinha. Resolvi então fazer academia no União, clube do qual sou sócia e que fica perto da minha casa. Primeiro tive que fazer exame médico, que demorou uma semana para conseguir vaga (enquanto isso seguia comendo bem feliz). Feito o exame e liberada para exercícios físicos, tive que marcar avaliação na academia, o que acontece hoje, dia 16 de julho, data do recomeço do programa ProPontos. Como preciso de um novo vício para substituir o de comer, decidi que meu objetivo na academia será aprender a correr. Quero também corrigir a postura e endurecer o que ficou frouxo depois de emagrecer 10 quilos (cheguei a 13 quilos, para verem o efeito rebote).

Academia devidamente organizada, chegou a hora de retomar a contagem de pontos. Como o Monitor é muito gordo para caber na minha bolsa, procurei na Play Store do Google e encontrei dois aplicativos para Android que vão me ajudar: um é o Caderno Vigilantes e o outro é Weight Watchers Points. O primeiro é um jornal diário virtual. Lá a gente marca o dia da reunião, diz quanto é a meta diária e quanto têm de pontos livres. E tudo que come anota lá e o programa faz os cálculos. Quando a coisa extrapola o quadradinho do dia fica vermelho, parece até boletim de colégio. Já o segundo aplicativo é em inglês, mas uma das funções é calcular os ProPontos. O mais divertido é que a gente pode cadastrar o alimento. Hoje calculei o pacote de mini Trakinas, que deu resultou em 2 pontos para minha alegria. Pronto, agora não tenho mais desculpas para sair do programa. Pelo menos no meu celular eu não posso desenhar corações.

Monitor é meu amigo e nada me faltará

Andei meio sumida do Reino das Alfaces e confesso que meio soltinha nos pontos também. Cheguei a um peso bem legal no final de março e acabei ficando desleixada, contando menos pontos do que devia e comendo mal mesmo, sem ligar para os alimentos plenos. E isso me fez engordar, o que não é bom.

Depois de um fim de semana gastronômico entre Montevidéu e Buenos Aires, com muita cerveja, dulce de leche, alfajor e Toblerone, resolvi me organizar de novo. Na última reunião comprei o Monitor, a quem agora devo obediência e devoção. Para facilitar minha vida e o controle de pontos, agora carrego comigo uma nécessaire com o Monitor, o guia de bolso, a calculadora de papel, minha carteirinha e caneta. Tudo para não ter desculpa de não contar pontos.

Agora, quando penso em comer algo extra ou em não anotar (a gordinha passa pedindo isso), penso no Monitor. Ele é praticamente um Big Brother, que olha e sabe tudo o que como. O bom é que com o Monitor voltei a planejar o que vou comer. Ontem, por exemplo, deixei de comer um pastelzinho de queijo no almoço porque queria à tarde comer um docinho numa confeitaria com minha mãe. Não comi pastel (que ficou longe dos meus olhos na mesa) e comi meu doce sem culpa. No fim do dia tinha usado só 2 pontos extras, que foram compensados pelos pontos ativos gerados pela caminhada. Viram como estou comportada? Voltei a ser Miss Alface.

Vai dormir, gordinha!

O assunto da última reunião de Vigilantes foi o que podemos fazer para não sucumbir à fome emocional, mais conhecida como a gordinha que mora dentro de mim. Aliás, na semana passada ela abriu a guarda para mil folhas (as melhores do mundo ficam a poucas quadras da minha casa), um coquetel com espumantes e salgadinhos (poxa, era Dia da Mulher, né?!) e à minha galeteria preferida. Tudo isso aconteceu de quarta à domingo e me trouxe um quilo a mais, mesmo caminhando direitinho. Na hora do paredão da balança não me preocupei muito, mas foi só sair da reunião para colocar a domesticação da gordinha interior (já disse que não existe ex-gordo, mas sim gordo emagrecido?) em prática.

Dizem minhas colegas do grupo que a fome emocional é como a fissura para o drogado: tem que se distrair por 30 minutos que passa. Então meu tema de casa para essa semana é controlar a gordinha por 30 minutos. No sábado e domingo, que são os piores dias, comi churrasco e pizza e bebi espumante, mas gastei só 10 pontos extras, bem menos do que consumia no final de semana. Dessa vez comi de tudo um pouco, bem controlado, e a gordinha não se manifestou. Ontem à noite ela pediu dois quadradinhos de chocolate, mas começou o Big Brother e o bicho se aquietou.

Agora mesmo a gordinha tá chamando, mas vou publicar este post que ela vai embora.

Tem gente que vê comida em tudo

Outro dia olhei para um saco com algo retangular dentro dele e enxerguei uma barra grande chocolate. Depois olhei para a Melissa que estava usando e que tem um lacinho e enxerguei aquelas massas que parecem lacinhos. Mas para meu alívio descobri que tem coisa pior: gente que se veste como comida.

Quem disse que seria fácil?

Terminei de ler hoje a edição especial da Superinteressante sobre conselhos que as pessoas dão e que a ciência mostra que não funcionam. Um deles fala da teoria da atração do “O Segredo”, famoso livro de auto-ajuda, que diz que basta visualizar para conseguir o que se quer. Segundo as pesquisas apresentadas na revista, pessoas que pensam que o caminho é fácil acabam por não se esforçar tanto, afinal, se tudo acaba bem, é só questão de tempo.

Me lembrei disso quando uma amiga comentou que tinha começado uma dieta e estava toda faceira porque tinha emagrecido três quilos. Disse que faltavam só nove e que seria fácil. Nessa hora me perguntou:  “é fácil, né Raquel?”. E eu respondi que não, que era difícil, mas que era possível. Eu já passei por isso e posso dizer que é uma luta diária para controlar a gordinha que mora dentro de mim e que pede doces e chocolate a toda hora. De acordo com a Superinteressante, se a gente pensa que emagrecer nove quilos é fácil, não se dedica tanto e acaba desistindo no meio do caminho. Se acreditarmos que é difícil, mas possível, vamos entender melhor que no meio do caminho engordamos, estacionamos, resistimos às tentações, enfiamos o pé na jaca, mas não desistimos porque sabemos que isso tudo faz parte do processo de emagrecimento.

Eu estou o platô, que pelos meus cálculos começou em dezembro. Mas sigo firme para emagrecer os dois quilos que faltam. Dia 2 de abril faço aniversário de 1 ano de Vigilantes. Não é fácil, mas eu sigo firme!