Gordas?

Meninas que trabalham na redação da revista Glamour querem emagrecer até o verão. Até aí tudo bem. O problema é que elas não tem o que emagrecer, principalmente a que esta no meio da foto, que, pelo que está escrito na matéria, quer sumir do mapa. Literalmente. Porque uma pessoa querer vestir 34/36 não sendo modelo é loucura ou anorexia.

A da direita quer tirar a pochete e diminuir os braços. Só tenho uma coisa para dizer: teu braço é fino, baby. Já o meu, nem quando cheguei a quase menos 13 quilos ele deu sinais de que queria ser magro. Fique feliz que ele é normal e sempre tire fotos com ele longe do corpo. Pronto. Agora é só relaxar.

Já a menina da esquerda quer perder 12 quilos e ficar com míseros 47. A impressão que tenho é de que a cada dia mais as mulheres querem ficar com peso de meninas de 12 anos.

O link do Projeto Verão Glamour está aqui para quem quer saber mais do desserviço que uma revista de moda pode fazer para um mulherio desesperado para secar e colocar um biquíni.

Anúncios

Foco no biquíni

Uma das melhores coisas da vida é fazer compras. Mas bom mesmo é chegar nas lojas e encontrar tudo o que quer no tamanho do teu corpo. Quando comecei o VP estava usando manequim 44 bem preenchido, ou seja, justo. Hoje estou chegando no 38 e minha balança pessoal é uma saia desse tamanho e que estou usando hoje. Está meio justinha na cintura, mas nada que prejudique a respiração. O restante das roupas são tamanho 40 e estão bem folgadinhas. Calças jeans tenho só 3: uma boca de sino que só dá para usar com cinto, uma clara que dá para tirar sem abrir o botão e zíper e uma escura que era bem justa e hoje está folgadinha. O resto todo doei porque não valia a pena diminuir. Descobri que short não tenho nenhum, só uma bermuda que coloquei no final de semana e estava folgadona. Mas enquanto não fixar residência no 38 não compro short e mais nenhuma calça. Saias comprei várias, todas 40, exceto a 38 que falei. E todas são evasés, ou seja, posso emagrecer que não perco a roupa.

Mas a consagração dos quase 12 quilos a menos é usar biquíni sem se preocupar com a quantidade de carne (leia-se gordura) exposta. Nesse final de semana tomei meu primeiro sol de praia com os biquínis do verão passado. Achei que eles ficariam umas fraldas e me enganei. Eles são tamanho G, o equivalente a 42 e estão bem comportados, como gosto. O lado bom é que não perdi meus biquínis. O lado ruim é que por mais que eu emagreça, nunca vou entrar um biquíni tamanho P. Minha meta é um biquíni M. E para não perder o foco, já escolhi uns modelitos da Água Doce, minha marca preferida de moda praia:

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

O primeiro que servir e ficar bonito ganha praia, piscina, sol e minha companhia.

Planejamento é tudo nessa vida

Minha tática de guerra para enfrentar o Donna Fashion, que significa mudança de rotina, deu certo. Almocei comidinha leve (nada de lanches), fiz uma jantinha light às 18h30 e na volta, lá pelas 22h30, tomei um copo de Gold e um pão Leve meio requeijão e meio doce, tudo light é claro. A tática já previa um coquetel de 10 pontos flex na terça, com espumante e comidinhas feias, e fugir de todos os compromissos engordantes, por mais antissocial que isso possa parecer. Não fui a uma despedida numa cervejaria (cerveja e petiscos não cabiam mais nos meus flex) e um almoço num lugar lindo e só com coisas boas. Mas tomei uma espumante (beber faz bem à dieta!) e comi uns salgadinhos na sexta à tarde (porque à noite isso incha!). Caminhei só dois dias na semana, mas acho que o Donna serviu de exercício, porque andei muito por lá. Na sexta estava muito cansada e achei melhor não ir ao evento para não passar calor, inchar e na manhã do sábado isso pesar na balança. Sim, isso é FOCO! Conclusão: menos 700g. Agora me sinto feliz e magra com 11,100 kg a menos. Ainda bem que nessa semana não tenho eventinhos…

Operação de guerra para enfrentar o Donna Fashion

Nessa semana começa o Donna Fashion Iguatemi e eu ganhei minha pulseira de imprensa, ou seja, terei acesso livre a todos os desfiles. Até aí meu processo de emagrecimento não corre risco nenhum. O problema são os coquetéis que acontecem antes dos desfiles. Hoje recebi vários convites e resolvi não ir a nenhum (mesmo com Ricardo Pereira, o ator português, como chamariz). Vou fugir do festival de calorias vazias e que enchem meu diário de pontos. Amanhã tem coquetel chique do Iguatemi e esse já me programei para ir e dediquei uns pontos flex, afinal se é para escolher, fico com o melhor. Para não extrapolar os pontos, criei minha operação de guerra para a semana fashion:

  • Almoçar todos os dias comidinha muito light, sem usar nenhum ponto flex.
  • Para o evento de terça, que não tem desfile, vou tomar uma taça de espumante e escolher muito bem os salgadinhos. Como vou passar em casa para me arrumar, já como uma salada zero ponto para não chegar com fome.
  • Nos dias de Donna (de 28.9 a 2.10), passar em casa antes de ir ao shopping para fazer um lanche light e quem sabe trocar o modelito. Os desfiles legais começam às 20h, então não tem problema.
  • Carregar na bolsa um estoque de granola crocante e flocos de arroz para os momentos de fome entre um desfile e outro.
  • Na volta do evento, lá pelas 23h, um copo de Gold porque ninguém é de ferro.

Pronto, Miss Alface está pronta para a semana fashion.

Vou mostrar o que acontece no evento no meu outro blog, o www.raquelmedeiros.com.br. Passa lá!

Gordinha veste o quê?

Na minha incursão Becky Bloom que narrei nesse post, fiquei feliz em entrar em números menores, mas me dei conta de outra coisa terrível: quem tem a bunda maior que a minha sofre muito para encontrar roupa (quando encontra!). E não são só roupas, são botas de cano longo e meia calça. Nunca tinha me dado conta, mas minhas panturrilhas têm sobrepeso. Não sei quantas botas de cano longo experimentei e TODAS, inclusive aquelas que tem o desenho da volta da panturrilha e são mais largas, ficam justas na minha perna gordinha. Cheguei à conclusão de que sou desproporcional, o que é bem cruel. Vejo moças bem mais fofas que eu com os braços e as panturrilhas mais finas que as minhas. E por causa disso, bota de cano alto para colocar com calça jeans skinny por dentro, só com banda de música e muito esforço para o zíper fechar. Como não gosto de sofrimento, enquanto não encontrar uma bota que respeite minha panturrilha gordinha, não vou comprar.

Outro fator de exclusão das gordinhas no mundo fashion são as meias-calças. Sou baixinha, visto 42 folgadinho e minha meia-calça é G. No ano passado vestia a GG, que apertava menos que a G, e mesmo assim ficava com a cintura marcada. Quem veste acima de 44 não encontra meia-calça. Praticamente bulling das marcas de meias.
A discussão sobre os tamanhos, a cada dia menores, já foi tema do Tricô das Mina, um programa da Lelê (Te Dou Um Dado) e da Clara Averbruck. Não consegui colocar o vídeo no blog, mas é só clicar na imagem do vídeo abaixo para acessá-lo:

Para terminar, uma historinha triste, mas real. Minha sobrinha de 16 anos, da geração magra de pernas compridas que veste 38, outro dia só conseguiu vestir o número 42 da Tok, uma conhecida marca para adolescentes aqui de Porto Alegre. Ela entrou em pânico, mas expliquei que o problema não estava nela, mas sim com a marca que quer vestir meninas magras e economizar tecido.

Comprar roupa agora ou esperar emagrecer mais?

Fechei 6 quilos a menos \o/, o que significa que o tamanho 42 está folgadinho e o 40 apertado. Como vou emagrecer mais 9 quilos, não posso investir em muita coisa. O problema é que as calças estão grandes e o visual fica feio, muito desleixado. Além disso, minhas roupas de inverno estão meio esfoladinhas, precisando de “reposição”. Assim, encarnei a Becky Bloom e fui às compras. Comprei uma camisa G (a M ficou muuuito justa), uma saia tamanho 40 (serve, mas tem que manter a barriga para dentro) e uma calça jeans 42 que ficou bem simpática, mas que depois do primeiro dia de uso alargou horrores. Conclusão: voltei na loja, contei o ocorrido e troquei por um número menor. A calça 40 com muito amor entra e até fecha, mas a impressão que tenho é que o botão vai voar longe quando me sentar. Acho que mais umas 2 ou 3 semanas e entro na minha querida calça nova, bem justinha e com lavagem clara, coisa que fugia para não engrossar ainda mais as pernas. Comprei também um vestido bem justinho, para exibir minhas novas curvas daqui 1 mês. Para completar, adquiri duas blusas compridas, para usar com legging com a calça jeans quando entrar, que ficam meio folgadinhas. De acordo com meu namorado, não adianta comprar tudo justo para usar com 1 ou 2 quilos a menos. Agora só preciso achar uma legging chique porque a minha está FROU-XA!

Arrumando os modelitos novos no guarda-roupa resolvi experimentar umas saias e uma bermuda que não me serviam mais. Fiquei muito feliz porque elas estavam boas!

Já avisei pelo Twitter, assim que bater minha meta vou fazer o “brechó online da ex-gordinha”. Aguardem!