Voltando a ser Miss Alface

No último post escrevi sobre o Monitor, meu novo amigo. Ele foi bom para dar um fôlego na vontade de contar pontos, mas com o tempo foi deixado de lado. Senti que a coisa estava ficando feia quando abria a página e desenhava um coração, uma forma de pedir desculpas pelo descaso na contagem. Hoje o Monitor repousa dentro de uma nécessaire no meu criado-mudo e, inspirada nos corações, passei a não contar pontos. Depois de mais de um ano de programa, a gente se sente confiante e acha que como está no platô não importa se come direito ou não, que não emagrece e também tem a ilusão de que não engorda. Livre, leve e solta voltei a engordar de novo. Tenho uma calça jeans termômetro, que diz quando engordo, e ela estava bem justinha. Resolvi então fazer academia no União, clube do qual sou sócia e que fica perto da minha casa. Primeiro tive que fazer exame médico, que demorou uma semana para conseguir vaga (enquanto isso seguia comendo bem feliz). Feito o exame e liberada para exercícios físicos, tive que marcar avaliação na academia, o que acontece hoje, dia 16 de julho, data do recomeço do programa ProPontos. Como preciso de um novo vício para substituir o de comer, decidi que meu objetivo na academia será aprender a correr. Quero também corrigir a postura e endurecer o que ficou frouxo depois de emagrecer 10 quilos (cheguei a 13 quilos, para verem o efeito rebote).

Academia devidamente organizada, chegou a hora de retomar a contagem de pontos. Como o Monitor é muito gordo para caber na minha bolsa, procurei na Play Store do Google e encontrei dois aplicativos para Android que vão me ajudar: um é o Caderno Vigilantes e o outro é Weight Watchers Points. O primeiro é um jornal diário virtual. Lá a gente marca o dia da reunião, diz quanto é a meta diária e quanto têm de pontos livres. E tudo que come anota lá e o programa faz os cálculos. Quando a coisa extrapola o quadradinho do dia fica vermelho, parece até boletim de colégio. Já o segundo aplicativo é em inglês, mas uma das funções é calcular os ProPontos. O mais divertido é que a gente pode cadastrar o alimento. Hoje calculei o pacote de mini Trakinas, que deu resultou em 2 pontos para minha alegria. Pronto, agora não tenho mais desculpas para sair do programa. Pelo menos no meu celular eu não posso desenhar corações.

Anúncios

Miss Alface em Paris

Como já tinha contado aqui no blog, passei 11 dias em Paris, a capital mundial da moda e da gastronomia. Confesso que fui mais pela moda, mas fui fisgada pela comida. Durante a viagem e no dia em que cheguei ao Brasil não contei pontos. Comi tudo o que queria e bebi vinho e champanhe várias vezes ao dia em quase todos os dias. Estava muito frio (peguei 7 graus negativos e neve em dois dias) e vinho esquenta que é uma beleza. Sem contar que vinho francês não dá ressaca (pelo menos os que eu bebi). Voltando à comida, levei um carregamento de barrinhas de cereais para carregar na mochila durante os passeios e voltei com quase todas. Era tanta coisa para olhar e curtir que o tempo passava rápido, o que rendia apenas café da manhã, almoço, chocolate quente da tarde e janta. O café do hotel era fantástico, com chocolate quente, croissant e Nutella, o sonho de qual gordinha. Lógico que existiam outras coisas e eu sempre comia salada de frutas, café com leite ou chocolate quente, pãozinho francês (muuuuuito diferente do brasileiro), manteiga, queijo, presunto e às vezes geleia de morango. Mas o mais legal era o chocolate, o croissant e a Nutella, não adianta negar.

Ah, não posso esquecer das pílulas da beleza, anti-idade, felicidade, ômega 3, bronzeado e vitamina C.

Só não tomava diariamente a do bronzeado porque já estava preta e da vitamina C porque era muito grande. Tentei partir, não consegui, resolvi engolir inteira e foi um sufoco ficar com aquele troço entalado na garganta. Mas garanti a beleza, a felicidade e a juventude, o que já estava de bom tamanho.

Os parisientes são magros. Vi pouquíssimas pessoas gordas. Homens, por exemplo, só vi gordos os turistas. Isso se explica por alguns motivos:

– Metade da população não tem carro, ou seja, usa metrô e caminha pra caramba. Eu mesma caminhei horrores.

– Não existe buffet nem rodízios. Os restaurantes oferecem entrada, prato, sobremesa e café e você escolhe qual vai querer.

– As porções não são muito grandes. Homens acostumados a buffet livre passariam fome ou gastariam muito por lá. Eu, que me acostumei a comer menos, nunca fiquei com fome e algumas vezes deixei comida no prato.

– Os baguetes que os franceses comem na rua, caminhando, apesar de serem grandes são leves. Há vários tipos de recheios e a maioria não tem maionese ou requeijão, mas sim um óleo que identifiquei como de oliva. Assim, à primeira vista os sanduíches parecem secos, mas o óleo garante o sabor e dá uma molhadinha. Detalhe: é “molhadinha”, nada de litros de óleo.

– Uma as melhores coisas de Paris são os laticínios. Iogurtes e queijos são tão gostosos que os franceses comem como sobremesa. Como são proteínas, trazem saciedade, ao contrário do doce, que faz a gente querer comer outro pouco tempo depois.

– Salada é comida de inverno também. Aqui no Brasil quando faz frio usamos a desculpa: “ah, está muito frio para comer salada”. Em Paris havia opções de salada em todos os restaurantes e inclusive no Mc Donalds, onde comi um Le Big Mac bem mais saboroso e menos pesado do que o brasileiro. Mesmo com temperatura negativa, eu e algumas colegas do grupo jantávamos salada ceasar, com iscas de frango e muita alface. E sobrava salada às vezes!

Voltando ao meio roteiro gastronômico, no almoço sempre escolhia o prato do dia e se comia entrada deixava a sobremesa para depois. Poucas vezes fiz o menu completo, mas era muita coisa (ainda bem que eu caminhava bastante). Como a Coca Light era mais cara que o vinho, eu tomava vinho. Existem umas comidinhas típicas meio gordurosas, como o croque madame e o croque monsier. O croque é uma fatia de pão grande com uma fatia de queijo por cima. O pão é fantástico e o queijo mais ainda. A diferença entre o madame e o monsier era o ovo que vinha em cima. Apesar do nome, o croque que trazia o ovo era o madame.

Uma das minhas entradas favoritas foi a sopa de cebola. Ela era marrom e vinha com um pão molhado e queijo gratinado por dia. De comer rezando! Meus amigos que cozinham bem já receberam o pedido para fazerem uma sopa assim pra mim. Já o melhor prato que comi foi um de Saint Jacques, um peixinho muito bom e macio, com molho de maracujá e purê de abobrinha. Viram como me comportei?

O setor sobremesas é algo à parte. Comi a milfolhas do Cafe de La Paix (onde estou na primeira foto) e ela era tão linda e grande que fotografei.

No Chartier, um típico restaurante francês, comi a melhor sobremesa de todas, o profiterole. Eu só conhecia a versão pequena, tipo coquetel, mas lá provei a original: grande, com sorvete de creme dentro e cobertura de chocolate. Não fotografei porque só me dei conta de registrar depois que ela não existia mais.

Os macarons são servidos junto com o café e estão há venda em confeitarias lindas como esta:

Tem também o éclair, uma espécie de bomba de chocolate. Comi uma comprada no supermercado e era maravilhosa.

Bom, vou parar de escrever porque as lembranças estão me deixando com água na boca.

Ah, quer saber qual foi o resultado da viagem na balança? Só 700 gramas a mais (praticamente uma festa de casamento bem aproveitada). Mais um dado para comprovar porque aquele povo chique é magro.

Au revoir!

 

Saudades do McDonalds

Faz 7 meses que não como nada do McDonalds. Prometi que nunca mais comeria, mas estou com muitas saudades do Ronald e sua turma. Com essa história de novo cardápio, saladinha, menos sódio e menos açúcar, resolvi procurar a tabela de valores nutricionais no site do Mc e fiz os cálculos de pontos. Calculei só o que me interessava:

Big Mac, seu lindo: 11 pontos (o problema são as 26g de gordura)

Chicken Classic Grill (a opção de sanduíche maiorzinha com menos pontos): 7 pontos

Cheeseburguer: 6 pontos

Hamburguer: 5 pontos

Premium Salad: 2 pontos. Para quem achava que as saladas do Mc eram ponto zero, essa é a menos pontuada.

Depois dessas contas, resolvi baixar a guarda e ir ao McDonalds comer um Chicken Classic Grill com Premium Salad. Me aguarda, Ronald, que estou chegando!

Operação de guerra para enfrentar o Donna Fashion

Nessa semana começa o Donna Fashion Iguatemi e eu ganhei minha pulseira de imprensa, ou seja, terei acesso livre a todos os desfiles. Até aí meu processo de emagrecimento não corre risco nenhum. O problema são os coquetéis que acontecem antes dos desfiles. Hoje recebi vários convites e resolvi não ir a nenhum (mesmo com Ricardo Pereira, o ator português, como chamariz). Vou fugir do festival de calorias vazias e que enchem meu diário de pontos. Amanhã tem coquetel chique do Iguatemi e esse já me programei para ir e dediquei uns pontos flex, afinal se é para escolher, fico com o melhor. Para não extrapolar os pontos, criei minha operação de guerra para a semana fashion:

  • Almoçar todos os dias comidinha muito light, sem usar nenhum ponto flex.
  • Para o evento de terça, que não tem desfile, vou tomar uma taça de espumante e escolher muito bem os salgadinhos. Como vou passar em casa para me arrumar, já como uma salada zero ponto para não chegar com fome.
  • Nos dias de Donna (de 28.9 a 2.10), passar em casa antes de ir ao shopping para fazer um lanche light e quem sabe trocar o modelito. Os desfiles legais começam às 20h, então não tem problema.
  • Carregar na bolsa um estoque de granola crocante e flocos de arroz para os momentos de fome entre um desfile e outro.
  • Na volta do evento, lá pelas 23h, um copo de Gold porque ninguém é de ferro.

Pronto, Miss Alface está pronta para a semana fashion.

Vou mostrar o que acontece no evento no meu outro blog, o www.raquelmedeiros.com.br. Passa lá!

Sobremesa é para os fracos

Resistir a um docinho depois do almoço e do jantar é um exercício diário e doloroso. Mas fica pior quando além de ficar cara a cara com a sobremesa e dizer não, tem alguém que diz “não sabe o que está perdendo“, “hum, que doce maravilhoso” e outras frases que dão água na boca. Parece frescura, mas quem está em processo de emagrecimento sabe muito bem como é difícil lidar com uma situação dessas. A Dani, uma colega de VP, me deu uma dica: aceita o doce e não come. Dá pena porque é desperdício, mas da próxima vez que a pessoa te oferecer um doce ela vai lembrar que o prato ficou de lado e vai pensar duas vezes antes de insistir. Não consegui ainda fazer isso, mas na primeira oportunidade, vou fazer para ver o que acontece. Por enquanto a minha técnica é dizer para mim mesma que “sobremesa é para os fracos” e ficar no Trident melancia que é mais honesto.

Mais uma dica de chocolate

Sou a pessoa em processo de emagrecimento que mais frequenta a Cacau Show. Já meio enjoada do chocolate zero branco, procurei outra opção e encontrei o TABLETE AO LEITE ZERO adição de açúcar. A barrinha tem 50g e no total são 4 pontos (tem 2,3g de fibras). Mas dá tranquilo para comer uma metade e depois a outra. O sabor é muito bom, parece daquele chocolate suiço, o Lindt. Não encontrei a foto no site da Cacau Show, então tirei uma foto da embalagem, que não ficou boa porque é de celular. O preço de 5 reais é salgadinho para o tamanho da barra, mas vale a pena.

 

Faça o download da famosa tabela de pontos em excel

Quem faz Vigilantes do Peso recebe a tabela básica de alimentos na 4a semana. Como eu disse, ela é básica, não tem tudo que a gente está acostumada a comer, mas sempre tem uma pessoa de bom coração que cria uma tabela mais completa em excel e coloca na internet. Todos me pedem a tal tabela em excel e aqui está ela. Eu baixei a minha e carrego na pen drive.

Abaixo está um dos conteúdos do arquivo em excel: a tabela do McDonald’s. Olhe e me diga se vai participar do Mc Dia Feliz. Eu não, o Big Mac tem 12 pontos!